sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

Grandes causas

O Inverno luta pela vida e ao escrever isto lembro-me de imediato que se teima, agora, em grafar o nome das estações do ano e o dos meses com letra minúscula no início da palavra. Já antes, por decisão sacrílega, os dias da semana tinham sido reduzidos à insignificância lexical. Nesta metamorfose da letra inicial não há apenas o arbítrio de quem decreta como se há-de escrever. Há ainda um fundo terror de quem não consegue enfrentar os decretos do tempo. O melhor é deixar-me destas considerações e voltar para o Inverno, esse que treme ameaçado pela Primavera, mas que, infeliz como um amante atraiçoado, resiste, tapando o sol com a cumplicidade de umas nuvens leves e levianas. Os alunos da escola que fica ao fim da rua foram para casa. Alguns gritam na praceta aqui ao lado. Se eu fosse mês ou estação do ano faria greve, até que repusessem a maiúscula inicial e me reposicionassem no meu devido lugar. As grandes causas só lembram a gente desvalida como eu.

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019

Enganos

Nem sempre a realidade é como a vemos. Não foi uma meditação filosófica que me levou à banalidade desta consideração, mas um engano na identificação de alguém que passava na rua, no outro lado da estrada. Não deu por nada, continuou no seu caminho pisando com firmeza o empedrado do passeio, até que se esgueirou para dentro de um café. Na sua inconsciência, nem deu pelo perigo de perder a identidade e tornar-se outra pessoa. Talvez seja isso que acontece connosco. Vamos rua fora, metidos com os nossos pensamentos, distraídos com o que está à nossa volta e, quando menos se espera, alguém nos troca. Se nos descuidamos, tornamo-nos outros e corremos a risco de nunca mais voltarmos a ser o que éramos, pensei preocupado, sem saber se eu não seria já outro ou se ainda continuava a ser o que era.

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019

Ignorância

O dia de hoje lembrou-me os de Maio, talvez mais puro e ardente, talvez mais brilhante na rapidez com que a noite há-de chegar. Os pássaros que se tinham calado em Dezembro voltaram a cantar perto da minha janela. Terão perdido o saber das estações, pensei ao ouvi-los, ou então adquiriam um novo saber que eu ainda não compreendo. A verdade é que compreendo cada vez menos coisas e sinto esse avanço inexorável da perplexidade como uma libertação. Um pássaro canta, um carro passa lançando baforadas de fumo e eu entrego os meus parcos saberes na casa do esquecimento. Se pudesse, que se me perdoe o egoísmo, guardava toda a ignorância para mim.

terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

Obstinações

Um acaso conduziu-me a uma reprodução de um fresco de Pompeia. Uma bacante, ébria e aterrorizada, dança, enquanto outra, sentada e impassível, amamenta do próprio seio um pequeno veado. Talvez o mundo, penso, seja isso, um equilíbrio instável entre os que dançam e os que descansam, entre os que vivem no terror e os que, mesmo na mais temível tempestade, permanecem imperturbáveis. Desvio o olhar dessas figuras e vejo o céu azul e puro, sem uma nuvem que o desassossegue. O sol brilha, mas a luz que banha as paredes dos prédios anuncia já o seu declínio. Oiço, vindo de uma escola, o vozear com que a adolescência cobre a sua perturbação. Talvez a bacante que dança se tenha sentado e a outra se entregue agora ao furor do ritmo, alvitro e recolho o olhar para observar mais uma vez o fresco. Tudo permanece como estava, como se a obstinação fosse uma qualidade que o mundo, para repousar das metamorfoses, gostasse de preservar. Por trás das bacantes, um sátiro toca flauta e no andar de cima ouve-se o rumor mecânico e desalmado de um aspirador.

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

Preço

São dias como o de hoje que anunciam os tormentos que a estiagem, lá mais para a frente, há-de fazer cair sobre nós, mortais volúveis que tão depressa lançamos anátemas ao frio como pedimos clemência aos céus, se o calor vem em borbotões desabar por estas ruas. Os estados de espírito dos homens são o verdadeiro objecto das ciências ocultas. São mistérios indecifráveis e se usamos palavras como inconstância, volubilidade ou instabilidade para os caracterizar, isso é mais uma manobra com que cobrimos a nossa ignorância do que um acto de saber. A verdade, porém, é que o dia nasceu fadado a ser soalheiro e as pessoas agitam-se na rua com ademanes primaveris. Uma ou outra mulher passa mais leve na roupagem e um gato deita-se na relva a apanhar banhos de sol. E eu vejo tudo isso como se fosse cego e nessa minha cegueira me protegesse dos dias que hão-de vir ou mesmo daqueles que já se foram. Penso nestas coisas sem sentido, enquanto abro a caixa do correio e encontro uma carta que me há-de anunciar alguma conta a pagar. Tudo tem um preço nesta vida.

domingo, 10 de fevereiro de 2019

Dissensões

Tenho de ir à farmácia, penso olhando para a rugosidade parda da avenida, sob um céu indeciso, que não sabe se há-de ou não enviar uma chuvada bíblica sobre a terra. Preciso de um daqueles medicamentos que fazem a vez da vesícula. É o que dá andar por aí a perder órgãos, diz-me o anjo negro, enquanto ri não sem uma ponta de escárnio. Não, responde com ar contrito o anjo branco, é o que dá o pecado mortal da gula. Como os homens, também os anjos nunca se põem de acordo seja sobre o que for, e eu, pobre mortal, não sei se a culpa de tudo isto foi da fraca qualidade da vesícula que me coube ou se da minha propensão para ceder às tentações. A verdade é que tenho mesmo de sair e deixar-me de considerações teológicas. O domingo é o dia do Senhor e não dos teólogos, acho eu, mas não tenho bem a certeza.

sábado, 9 de fevereiro de 2019

Cartões

As contas dos restaurantes, muitas vezes, vêm acompanhadas com o cartão da casa. Não me faço rogado e fico com ele. Não porque vá utilizá-lo para fazer uma marcação futura ou porque faça colecção de cartões. Não sou dado a esse exercício de acumulação de coisas inúteis, que a tanta gente fascina. Guardo-os para marcar livros e lá os vou depositando entre folhas, onde ficam esquecidos e melancólicos. Quando abro um livro que há muito tempo não abria e encontro um desses cartões, o mais certo é que não saiba quando me veio parar às mãos, mas ali está como prova de que um dia prestei atenção às palavras que aquele livro alberga. Foi isso o que aconteceu há pouco quando peguei num velho livro de poemas do Eugénio de Andrade. Lá estava, abandonado e solitário, um desses cartões. A noite cai e a iluminação pública segrega uma luz triste e infeliz sobre as ruas. Olho cartão e ele nada me diz sobre esse lugar onde um dia estive e que hoje não é mais do que um pedaço de cartão que marca um poema que um dia achei que não deveria ser esquecido.

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019

Sem promessas

Sento-me na plateia e olho um palco coberto de vociferações. Habitar o mundo é um ofício que exige uma infinita paciência. O Inverno vai a meio, constato, mas há momentos que já trazem o odor melado da Primavera. Eu sei, pois há muito que estou sentado no mesmo sítio, que se exulta com os eflúvios desses dias em que a natureza há-de florescer, entre o orvalho das manhãs e o zumbir dos insectos, para que os corações amoleçam e os instintos se disfarcem no fervor de uma écloga. Por falar em pastores, o mau gosto é um lobo que nunca deixa de rondar os rebanhos. O vento insiste, com as suas artes rasteiras, em precipitar-se contra a minha janela. O vidro reluta e apenas deixa entrar a cinza da tristeza que se desprende da paisagem. Ao longe, voam dois corvos mas não os oiço crocitar. O fim-de-semana começa viscoso, esburacado e, como eu, sem promessas para o dia de amanhã.

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2019

Palavras

As quintas-feiras são exercícios difíceis que só o cair da noite apazigua. Trégua de curta duração, penso, enquanto subo vagarosamente o viaduto e entro numa das mil rotundas com que a estética municipalista decidiu decorar o pequeno país que nos cabe. Viver das palavras é um ofício estranho, tão frágeis e impotentes elas são. Às vezes, fazem milagres, uma vida que muda, alguém que escuta e descobre, na encruzilhada, o caminho a seguir, a sua estrada de Damasco. A mais das vezes são inúteis. Mal proferidas, logo se repartem em sílabas e estas, no momento seguinte, já são pó de letras, que o vento, incauto é húmido, levará. A noite cerra-se com obstinação e a escuridão toma conta de mim. O melhor seria viver calado, fazer do mundo uma grande cartuxa. Ao menos poupava-me aos meus disparates.

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2019

Inflamações

As pessoas sofrem muito de inflamação. Inflamam-se por tudo e por nada, como se disso dependesse o destino do mundo ou mesmo o delas. O melhor seria darem longos passeios avenidas fora ou então contar carneiros para ver se adormeciam. Já estou a ouvir as reacções. Queres um país de sonâmbulos. Não é verdade, acho muito desagradável deparar-me a cada esquina com alguém que caminha a dormir. Preferiria que repousasse na cama, num quarto fora dos olhares curiosos. O sol já esteve mais inflamado hoje. O mundo é um sepulcro de ilusões, constato enquanto me preparo para sair. Apropriado seria plantar ciprestes e cultivar crisântemos, ou então tomar um anti-inflamatório.

terça-feira, 5 de fevereiro de 2019

Enganos

Cheguei àquela fase em que arrumo as coisas nos sítios mais improváveis. Talvez o destino dos seres humanos seja esse, fomentar improbabilidades até que eles próprios se tornem improváveis e sejam varridos para o esquecimento. Eu sei que este pensamento é soturno, mas nem sempre o brilho do sol vespertino é suficiente para ofuscar o fardo da sombra. Num dos apartamentos contíguos, alguém está apostado em furar a parede. O barulho da broca fende o silêncio e zune-me dentro da cabeça. O mundo nunca é como nós o queremos, constato não sem que me aproxime de alguma heresia. E enquanto vou escrevendo estas coisas reparo que, mais do que é hábito, estou a trocar as letras ao formar palavras. Trocas e heresias é tudo o que tenho. Há quem venda certezas, outros mercadejam indignações, a mim, que sou cada vez mais improvável, restam-me enganos. Podia ser pior.

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019

A mudez dos deuses

Outrora, os deuses falavam através das folhas dos carvalhos batidas pelo vento suave vindo do mar. Lembrei-me disso ao olhar o sol entristecido que desliza dos céus. Fevereiro nasceu vociferando grandes chuvadas, mas já se arrependeu. Uma mãe apressada, ajoujada ao peso de uma mala, conduz a filha praceta fora, entra para um prédio, fechando sem violência a porta. Silêncio. A solidão do mundo desdobra-se sobre aquele lugar, onde dois pombos poisam, para logo levantarem voo e perderem-se num telhado que não vejo. A vida é sempre um exercício de mutilação. A cada instante, a faca de lâmina afiada corta uma invisível fatia, para que a jactância humana seja reduzida ao que é, a nada. O pior, penso, é a mudez dos deuses. Ou então sou eu que não sei escutá-los quando murmuram no folhedo das árvores.

domingo, 3 de fevereiro de 2019

Economia de mercado

Envelhecer é cair na folhagem obscura de uma floresta sem nome. Uma vez por outra sou assaltado por pensamentos destes, pensamentos em que, como em certas filosofias, não se pensa nada, o que é um grande alívio. Foi o que me aconteceu hoje, ao deslocar-me a uma aldeia onde, à beira da estrada, os donos dos pomares vendem laranjas. Há dez anos, nunca pensaria nisso, mas agora um patriotismo aldeão, atávico e  despido de interesse, estende-me armadilhas destas. O sol refulgia nas laranjas, os carros passavam mergulhados no domingo, e a vendedora, vinda de um tempo onde nem como promessa eu seria pensado, cerzia com cuidado o passado e o presente e oficiava, como sacerdotisa experiente e pura, os velhos rituais da compra e da venda, dessa troca que abre caminhos por dentro das mais obscuras e inomináveis florestas. E, enquanto regressava, barafustando com a Antena 2 pelo programa que se lembrara de pôr no ar, só para me irritar, constatei que não há nada como a economia de mercado.

sábado, 2 de fevereiro de 2019

Opinião

Mal abro o facebook, este, desfrutando a intimidade que o uso confere, informa-me que está a pedir a opinião a um pequeno grupo de pessoas. Imagine-se quem haveria de fazer parte desse grupo restrito, uma verdadeira elite, a quem a opinião está a ser solicitada. Eu. Fiquei lisonjeado. Até que enfim alguém reconhece a minha natureza, pensei com os meus botões. O problema, ponderei, é que não tenho opinião seja sobre o que for, muito menos sobre aquilo que o facebook há-de querer saber. Eu sei, eu sei. Estou a mentir. Ter opiniões, tenho. Aliás, não me faltam opiniões sobre tudo e sobre nada. O drama é que não consigo acreditar nas minhas opiniões. Espantam-me sempre as pessoas que acreditam nas suas próprias opiniões. Como é possível? Para mim, basta que uma opinião se apresente como minha para logo deixar de acreditar nela. Resoluto, tomei a decisão de poupar o facebook às opiniões em que não acredito e ao meu cepticismo contumaz. E assim abdico da glória de pertencer ao pequeno grupo. Nunca deixarei de ser um átomo perdido na massa. Cada um é para o que nasce.

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2019

Fevereiro

Fevereiro chegou e não tenho, no bolso do casaco, nenhum provérbio para o acolher. É sempre assim, quanto mais preciso de um ditado mais ele se esconde de mim. O dia declina e a chuva na chuva anuncia a obscuridade. O vento empurra ruídos incompreensíveis e os meus ouvidos, infelizes, recebem esses prenúncios do inferno. Logo reparo que basta trocar o efe do inferno por um vê para cair no inverno. Pouco cuidado têm os construtores lexicais ao aproximarem palavras com temperaturas tão diferentes, meditei com desconsolo. Estamos em Fevereiro e a rua parece um ribeiro, suspiro. Pelo menos rima.

quinta-feira, 31 de janeiro de 2019

Perfil

O LinkedIn – eu tenho, embora não saiba porquê, uma conta LinkedIn – informa-me, manso e solícito, que há pessoas que andam a ver o meu perfil. Presumo que deveria exultar com tamanha curiosidade. Não exulto e nem sequer creio que tenha perfil para ter um perfil, mas se o tiver, por certo, será horrível. Que interesse haverá em ver tal coisa? O pior é que é capaz de chover quando sair de casa e não me apetece levar guarda-chuva. Bom seria que pudesse enviar o perfil que me andam a espreitar encontrar-se com a gente que estará daqui a pouco à minha espera. Talvez ninguém desse pela diferença e eu ficaria sentado e apócrifo a meditar sobre a ilusão e a realidade, ou a iniquidade que se esconde sob a capa das coisas banais.

quarta-feira, 30 de janeiro de 2019

Espera

A tristeza desprende-se das nuvens em gotas ínfimas, paira por instantes sobre a cidade e precipita-se, como um vício insensato, pelas ruas. O que me salva é o vídeo do meu neto chegado através de uma daquelas aplicações que teimam em aproximar a humanidade. Vejo-o esbracejar, quase irado, e isso faz-me rir e dá-me ânimo. A arte da consolação não é esquiva nos materiais que escolhe para distribuir a sua bênção. O vento sopra contra a janela, empurra a chuva e perante os meus olhos desenham-se incontáveis universos de água, que logo se arrojam para a arca negra da inexistência. Ninguém sabe o que fazer com a obscuridade do dia. Uns esperam a luz, outros aguardam as trevas. Eu, pobre de mim, olho as façanhas do rapaz e conto os dias que faltam para ele voltar cá a casa.

terça-feira, 29 de janeiro de 2019

Colírio

Presumia que se não era imune a constipações, era-o quase. Jactâncias destas não perdem pela demora e o mundo, com a sua balança inexorável e o despropósito de um adolescente, lá me pôs no devido lugar. Mal dei por mim estava a vir da farmácia, armado com os colírios que, dentro do possível, me hão-de devolver à normalidade. Não se pense que estou mal dos olhos. A palavra colírio fascina-me desde que, há muitos anos, a vi pespegada na capa de um tratado político do século XIV, de Álvaro Pais. Reza assim o título: Colírio da Fé contra as Heresias. Não interessa saber o que a fé e as heresias têm a ver com a política, mas que a metáfora é poderosa, parece-me tão claro quanto obscura é a tarde de hoje. Os sulcos da consciência são um dia invernoso. Tenebrosos e imprevisíveis. Uma constipação em pleno século XXI transporta-me para o século XIV, como se não tivesse mais nada que fazer ou em que pensar. Janeiro há-de acabar e a minha razão talvez encontre maneira de se esquivar à descortesia e aos agravos que sobre ela faço cair.

segunda-feira, 28 de janeiro de 2019

Perturbação

O mundo quer ser distraído mas nós temos que o perturbar, diz Minetti, o velho actor que dá nome à peça de Thomas Bernhard. É nisto que penso enquanto me imagino caminhar, rua fora, cumprimentando conhecidos aqui e ali, observando o movimento dos cafés, a inconstância do trânsito. O céu tem nuvens cinzentas e as árvores acomodam-se, imperturbáveis na sua verdura, se a têm, e deixam os ramos oscilar ao vento, como se embalassem um filho há muito desejado. Pobre Minetti, compadeço-me, enquanto um bando de adolescentes passa imerso nos seus códigos voláteis, a arquitectar aventuras que nunca acontecerão, cegos para a velhice que neles se aninha. Quantos candidatos a perturbadores do mundo conheci? Uma ambulância passa vagarosa e oiço o correr de umas persianas. O mundo nunca foi outra coisa senão perturbação, afirmo distraído, enquanto fecho a porta da casa onde guardo as minhas opiniões sobre seja o que for.

domingo, 27 de janeiro de 2019

Romantismo dominical

O sol desmaiado desta manhã de domingo faz-me lembrar o romantismo com as suas as almas puras torturadas por paixões impossíveis. Seria esta a luz que iluminaria os sofrimentos do jovem Werther e de Charlotte ou de Simão Botelho e Teresa de Albuquerque. Tudo isto, porém, é literatura e a realidade, com as suas garras de diamante, não se compadece com as minhas tendências para o desvario. O melhor mesmo é suportar o vento frio, essa lâmina afiada que rasga o rosto, e a claridade avara com que o dia se desdobra para manifestar, aos olhos incrédulos, os seus segredos de polichinelo. Duas mulheres passam por mim. Uma leva um lenço à boca e tosse, a outra fala, mas nenhuma terá sido iluminada por um sol desmaiado num domingo lacerado pelas chagas do romantismo, penso, talvez com injustiça. Nunca sabemos os mistérios que habitam na memória de quem se atravessa no nosso caminho. Elas, indiferentes aos meus pensamentos, lá seguem a sua rota sem paixão, enquanto eu espero, como quem aguarda o autocarro, que um deus venha e me salve da inutilidade com que decidi revestir a vida. Começa a ficar tarde.

sábado, 26 de janeiro de 2019

Grilos

Saí de casa já a noite se tinha afastado há muito, mas o frio que, com silencioso esmero, ela semeara entrou-me pelo corpo, fez de mim presa e subjugou-me a um império obstinado. É possível que a realidade não seja assim tão dramática. Delírios e dissonâncias cognitivas é o que mais por aí há, e eu, com a idade, sou cada vez menos imune a coisas dessas. Passa por mim uma mulher, segue-a um cão, e nenhum, reparo, tirita. A manhã resvala e, enquanto caminho, penso no cantar dos ralos. Fiquei surpreso. Nunca na vida tinha pensado em ralos. Em grilos, sim. Um dia deram-me uma gaiola com um grilo e o imperativo de o alimentar com folhas de alface. Julgo que morreu e não me lembro de o ter ouvido cantar, mas naquela altura ainda não sabia o que era um imperativo. Hoje sei-o bem, mas por enquanto não tenho idade suficiente para voltar a ter grilos numa gaiola.

sexta-feira, 25 de janeiro de 2019

Saber de si

Cada um sabe de si, leio num post de protesto acerca de uma minudência qualquer. E fico feliz por haver gente que até de si sabe. Eu sei cada vez menos coisas e, de mim, a ignorância nunca foi exígua. Talvez isso seja efeito da sexta-feira. Há dias da semana que possuem estranhos poderes sobre o que as pessoas dizem: inclinam a vontade, torcem o sentimento, amarfanham a palavra. Depois, desce do céu, tão azul que ele há pouco estava, um manto de ilusões, que cai sobre os ombros e destrava a prosápia. Ah se cada um soubesse de si, as árvores não perderiam as folhas no inverno nem os pássaros se recolheriam mais ao sul. Se cada um soubesse de si, o vento vacilante da tarde levaria para longe as escamas que cobrem os olhos. O silêncio, então, viria como um deus dançar embriagado pelas ruas deslavadas desta cidade.

quinta-feira, 24 de janeiro de 2019

Devaneio matinal

As noites são caminhos abertos na planície que nos levam para a terra da transparência. Assim comecei a história, mas logo veio a manhã e tantos imperativos trazia consigo que esqueci o que a noite me tinha ditado. Não é a natureza que é uma floresta de símbolos, ponderei, mas o fluxo que o sono coa para dentro da consciência. Árvores, ruas, um pregão ouvido há cinquenta anos, a mão que brilhou diante dos olhos e incendiou o desejo de não mais a largar. Depois, deixamos as palavras enraizarem, cuidamos delas, trazemos-lhe água e elas florescem, para nos acariciarem, enquanto afundamos a cabeça na almofada e esperamos que o mundo acabe ou um rio de pétalas desagúe por detrás dos canaviais onde se esconde a infância. Ao menos tiveste uma infância, pensei, enquanto lavava os dentes e espreitava não sem horror o rosto que despudorado o espelho me devolvia.

quarta-feira, 23 de janeiro de 2019

Aguaceiro

De súbito, um aguaceiro cobre os vidros do carro, desfoca a paisagem, torna imprecisos os contornos de quem passa. Logo o limpa-pára-brisas, a ruminar vaivéns, devolve ordem ao mundo e figura aos peões. Que monotonia de ritmo, pensei, enquanto olhava um renque de velhas moradias, daquelas que, com o passar das estações, já mal suportam o peso da sombra. Mura-as paliçadas de tijolo e cal e por detrás destas avistam-se laranjeiras e limoeiros, exuberantes na cor dos frutos, que se escapam dos promontórios verdes das ramadas. Esta terra não deveria ter nome, murmurei. Não havia ninguém para me escutar e eu ri-me, a pensar no amargo das laranjas e no brilho baço dos limões. Os dias já estão mais longos e a hora melancólica do crepúsculo chega cada vez mais tarde. Se soubesse o que fazer de mim, tudo seria mais fácil. Assim, perco-me em taxionomias insignificantes e contabilidades sem deve nem haver.

terça-feira, 22 de janeiro de 2019

Desconsolo

Depois de almoço tive de ir ao banco, no centro histórico da cidade. Sejamos piedosos e não poupemos a hipérbole. Ao entrar, lembrei-me do tempo em que não havia ali pessoa que não conhecesse. Agora, constatei, não sem incredulidade, que nenhum daqueles rostos me dizia alguma coisa. Tentava situá-los aqui ou ali, mas só o silêncio respondia à minha interrogação. A cidade é exígua, o tempo, porém, não vacila e arrasta na voragem tudo o que foi comum. Saí desconsolado pelo peso da ignorância. Uma ameaça surda pairava sobre a minha inquietação. Janeiro é um mês cruel e estende as suas garras até aos confins da memória. Quando esta sangra, então ele afrouxa os tentáculos e deixa-nos à porta de um jardim onde ninguém nos espera. Olho as ruas, as pessoas que vão e vêm, os escombros da velha vila a céu aberto. A vida, pensei, é uma árvore calcinada pelas tentações de Inverno. Que catarse poderá pacificar as almas?, perguntei, ao avistar os ciprestes do cemitério. O carro trouxe-me rapidamente para casa.

segunda-feira, 21 de janeiro de 2019

Infrutuosidade

Um alarme dispara não sei bem onde. O som progride como um insulto a quem escolheu o silêncio para esquecer a alegria do sol ou algum dever que a vida, esse naufrágio entre dois esquecimentos, sempre traz no aconchego da sua farta algibeira. Duas pessoas vão pelo passeio e o seu andar lembra-me uma redondilha, e logo começo a escandir-lhes os passos, a espreitar-lhe a prosódia, certo que também o mover dos corpos na rua obedece ao segredo de uma poética, que apenas a distracção nos faz ignorar. O melhor seria pensar noutra coisa, reflicto, ser útil e dar à indiferença estes pensamentos que são como flores feias e estéreis. O que vale é que o alarme se calou, e o dia mutilado refaz a mão decepada e com ela acaricia a infrutuosidade de tudo o que penso.

domingo, 20 de janeiro de 2019

A porta do meio-dia

O vento ondula o arvoredo como se este fosse uma seara arcaica trazida dos confins da terra. E eu aguardo o deslizar do dia, a espuma das horas que se derrete ao sol, o rigor do esquecimento que a tudo há-de trazer paz e purificação. Uma nuvem passa diante do sol e a luz entenebrece um pouco, mas logo o vento leva a intrometida e deixa que os raios caiam como punhais sobre os transeuntes. Estes vão em pequenos bandos, lembrando famílias a caminho da igreja num domingo de há cinquenta anos. Com o florete das palavras desenho na areia os frutos que me cabem, enquanto imagino o canto das cigarras ou o sabor do vinho novo. Afasto-me das minhas paixões e cruzo o adro da manhã para entrar, inútil e cego, pela porta do meio-dia.

sábado, 19 de janeiro de 2019

Anacrónico

Os pássaros que ainda há pouco tempo cantavam perto da minha janela emudeceram. Eram pássaros tardios, sei-o bem, e há muito que deveriam ter partido. O tempo fê-los perder a memória e confundiram a púrpura dos dias com o fulgor do Verão. Também eu confundo os tempos e caminho pelo Inverno como se ainda fosse Outono. Pensava em tudo isto, enquanto contemplava a mansidão da luz batida pelas águas frias de Janeiro. Alturas há em que me assalta uma estranha convicção: este não é o meu tempo. Sou, atavicamente, anacrónico. Rio-me e pergunto se há outra coisa que possa fazer senão rir-me de mim mesmo. Num poema de Eugénio Andrade encontro a afirmação o teu destino és tu. Não, o meu destino não sou eu. Sou como os pássaros que emudeceram na minha janela ou como a chuva que se calou tomada pelo peso da tarde. Se estivéssemos em Outubro tudo seria perfeito, pensei, enquanto o meu destino galopa, incendiado e pueril, diante de mim.

sexta-feira, 18 de janeiro de 2019

Desculpa

Esta chuva impaciente e frágil veio mesmo a calhar. Que boa desculpa encontrei para não ir dar a minha caminhada profiláctica. Assim, fico por aqui a ruminar sobre o desvario do mundo, a meditar na água que cai e na bem-aventurança que ela é para a agricultura. Há quem tenha alma de caminhante, mas esse, por um qualquer motivo que desconheço, não é o meu caso. Prendo-me então ao flanco do silêncio e enquanto leio aguardo o crepúsculo que me há-de anunciar o aconchego furtivo da noite.

quinta-feira, 17 de janeiro de 2019

Notícia

Vai-se pela rua ou entra-se numa rede social e é-se colhido por uma notícia para a qual nunca há uma cesta preparada para a depositar. A terrível ceifeira, a desmemoriada que nunca esquece a vil ocupação, deslocou-se, fremente e impúdica, e cortou cerce onde não se esperava que cortasse. Faz-se, assim, em nós um grande silêncio. Contam-se os dias, os anos, os caminhos partilhados e as esperanças havidas e, por ordem inevitável do mundo, perdidas. Então uma espada de pez cai sobre o dia e tudo ensombrece, como se um exílio nos esperasse ou uma gaivota perdida apagasse o sol.